4.17.2017

Homem fiel

Ele estava completamente concentrado em seus relatórios diários quando bateram à porta. Parou por um instante, elevando um pouco o queixo, depois voltou a escrever. Novamente, bateram à porta.
– Senhor, posso entrar? Ele se limitou a um “uhum”. Apesar de sentir-se altamente excitado com a ideia de ter um caso com sua secretária, ele tinha tempo para comportamentos adolescentes. Além do mais, era um homem casado.
Ela entrou na sala. Usava uma saia justa, na altura do joelho, e um suéter vermelho. Tinha os cabelos presos, mas alguns fios escapavam ao penteado, emoldurando-lhe o bonito rosto, contemplado com um par de olhos negros. Um semblante impecável, não fosse pelas olheiras escuras e o nariz levemente corado, como de quem andou chorando.
Mas a despeito do desejo devastador de oferecer a ela algum consolo, ele continuou concentrado na papelada sobre a escrivaninha. Precisava se controlar.
– Senhor, é a terceira vez que sua esposa liga. Ela parecia angustiada... Você não deveria atender a ligação?
– Não. Ela sabe que não deve me incomodar durante o trabalho.
– Mas senhor, parece ser muito importante.
– Pois diga a ela que resolveremos tudo quando eu chegar em casa.
– Mas o senhor sempre chega muito cansado em casa, e acaba dormindo durante as discussões.
– Isso não é de todo verdade. – ele disse, sem desviar a atenção dos papeis, resistindo à atração quase magnética que o decote dela exercia sobre seus olhos. – Me sirva um pouco de café, por favor.
– Realmente, é uma verdade incompleta. O senhor dorme durante o sexo também! – ela acusou, enquanto enchia um copo na máquina de café expresso.
– Mas isso é um absurdo! Não vou discutir minha vida sexual com minha secretária.
– E sua esposa.
– O que disse?
 – Sua secretária e esposa.
Ele olhou-a por cima da xícara, com uma sobrancelha arqueada. Parecia furioso.
– Onde você quer chegar? Nós já combinamos que aqui eu sou apenas o seu patrão, e como tal, mereço seu respeito integral. Não posso tolerar esse tipo de comportamento, entendeu?
– Pois eu me demito!
– Está bem. Esse é seu aviso prévio? Quando pretende deixar a empresa?
– Você não entendeu, eu me demito como sua esposa!
O homem pareceu chocado ao ouvi-la, e suas feições passaram por uma seqüência de cores e expressões, entre vermelho-raiva, roxo-indignação e cinza-tristeza.
– Se é o que você quer... Mande seu advogado falar comigo mais tarde para resolvermos a questão do divorcio. Pode ir.
Ela sentiu um aperto na garganta, os olhos ficaram embaçados; a voz saiu embargada de um choro contido pelo orgulho.
– Sim senhor. Eu... – como não pudesse completar, ela simplesmente deu-lhe as costas para se retirar, mas ele a impediu.
– Espere! - chamou. - Eu e a minha esposa, nós já estamos tecnicamente separados, não é?
– Sim. Você está completamente livre, se é isso que quer saber.
 E então um braço forte a envolveu de repente, e seu corpo chocou-se com o corpo do homem, agora de pé à sua frente. Ele ofegava e ela sentiu uma onda de calor subir por seu corpo quando as mãos dele pousaram-se bruscamente sobre suas pernas, e suas bocas encaixaram-se num beijo faminto, cheio de desejo.

4.11.2015

Humor matinal

minha cabeça está zunindo
como um enxame de mariposas alvoroçadas
pela claridade que invade (à revelia)
a escuridão do meu quarto
revelando ao meu lado
a cama vazia
que me encara com desdém
como quem tenta despertar alguma dor (despertador)
mas só consegue me deixar mais puta
viro pro lado e invento uma desculpa
para o dia não raiar
pelo menos até o meio-dia
ou até o telefone tocar
ou o carteiro chegar
ou a fome bater
ou qualquer coisa que me faça querer matar
ao invés de morrer

3.30.2015

Maresia

Eu gosto do gosto de sal que fica na boca depois de um banho de mar e do estremecimento que dá quando o vento bate no cabelo molhado. É como o eco de um beijo uma vez roubado. Como o sopro suave de uma respiração em meu ouvido, indo e vindo como as ondas que vêm e vão e (não em vão) trazem consigo o hálito fresco da maré.

Minha sina é sentir saudade do gosto do cheiro da cor do som do toque de tudo que uma dia eu já senti. Meu corpo guarda o calor do sol que queima marcas tatuadas em brasa. E mesmo quando eu troco a pele, o pelo guarda a lembrança do arrepio.

1.06.2015

Flor do deserto

a flor da pele também desabrocha
e brota
mesmo no campo mais seco
regado ao suor dos (es)poros
que estuporam sob o sol de rachar

pétala por pétala
revela sua beleza tímida
como um botão no peito comprimido
que sangra até murchar
em um orgasmo interrompido

5.12.2014

Insônia

Presa dentro dos meus olhos como um cisco
Vejo meu reflexo se mover como se fosse eu
Eu sou apenas um fantasma e ninguém entende minha língua
Mas não há tempo para sentimentalismo
O que eu sinto ou até mesmo o que você sente não é importante
Afinal, a vida é muito curta
e não se chega a lugar nenhum arrastando sonhos ou cicatrizes em papéis rasgados
Ninguém pode desenhar estrelas nas palmas das minhas mãos trêmulas
E ninguém pode escutar o meu grito
Exilado nesse silêncio faminto que é a noite

5.11.2014

{sobre amor e cigarros}

Meu primeiro cigarro eu acendi tentando impressionar uma garota, aos treze anos. Seu nome não me vem à mente agora, mas por algum tempo (e isso pode significar anos ou horas) eu a amei. Posso afirmar com convicção, porém, que meu amor queimou intensamente durante todo aquele cigarro.
Sabe, o amor é um vício como qualquer outro, tão inventado pelos homens quanto o cigarro ou álcool. Não estou dizendo que ele não existe, pelo contrário: somos todos usuários do amor. Passamos a vida consumindo seus derivados na televisão, no cinema, na música, nos livros de bolso que compramos no aeroporto... Os poetas vivem do amor como um dentista vive de arrancar dentes. E nós não passamos de bocas desdentadas.
O amor de verdade não é algo que acontece muitas vezes na vida de uma pessoa, mas falam sério quando dizem que é eterno. A dependência é eterna. Mas o prazer, guardadas as devidas proporções (da eternidade), dura tanto quanto uma tragada.

5.09.2014

Nunca é tempo

É tarde. Os sonhos já adormeceram
em mim, as luzes se apagaram
no céu, as estrelas estão mudas

Eu sei, é tarde
a estação está vazia
agora, e a goteira sobre a pia
pinga uma lágrima a mais

Mas é tarde
e esta noite não tem lua
nua, nem você cheia de dedos
para me apontar que

Sim, é tarde demais para mentir
mesmo que seja verdade
que tenho saudade de quando era cedo
demais.